Arco-íris!

A coluna desta semana será dividida em três partes. Vou falar essa semana sobre as cores e como elas tem um poder enorme de influência na nossa imagem e em nossos comportamentos. Todas as cores passam mensagens e devemos deixar o preconceito de lado e cair de cabeça no mundo colorido. Assim, vamos fazer como o grande pintor Gauguin, uma vez ele disse: “Rejeite o preto e aquela mistura de preto e branco que chamam de cinza. Nada é preto, nada é cinza.”.

Vamos começar falando do azul, essa cor passa segurança, credibilidade e é a cor predileta de homens e mulheres. Não é à toa que grande parte das empresas escolhem essa cor para ilustrar sua logomarca ou pintar suas paredes. Para os homens, a cor sequência é o verde. O verde é muito relacionado ao meio ambiente por motivos óbvios. Também, é a cor do sucesso. Passa tranquilidade e hospitais adoram essa cor em tons pasteis.

A segunda cor queridinha das mulheres é o roxo. Não torça o nariz! O roxo ao contrário do que muitas pessoas pensam é uma cor incrível ligada a nobreza e sofisticação e não a eventos fúnebres. Nobres vestiam roxo e o Papa até o século XV também. Só depois que roxo foi substituído pelo vermelho que simboliza, o sangue de Cristo. Intelectuais adotaram o roxo e mulheres muito inteligentes foram queimadas como bruxas, assim, a cor acabou sendo associada ao ocultismo que nada mais era que o estudo do desconhecido. E antes que você pense besteira, medicina e astrologia era ocultismo naqueles tempos.

Que tal combinarmos um exercício, ao longo dessa semana separe o seu armário por cores. Quero saber qual é a predominante. Topa?

Mais que essencial: vital!

Para muitas mulheres a bolsa é artigo indispensável para colocar os pés na rua. Com uma enorme lista de variedades e estilos quem precisa carregar seus pertences por aí, não fica sem ela. Vocês, leitores da coluna, sempre me pedem dicas de modelos e cores desse acessório tão importante. Assim, resolvi fazer um tutorial para ajudá-los a encontrar o modelo ideal.

Primeiro, tente avaliar o seu estilo de vida e rotina. Se você não sai nunca para compromissos sociais, uma bolsa de paetê não cabe no seu armário. As básicas, são sempre as melhores opções. As de tamanho médio também. Avalia-se, uma mulher muito voluptuosa, não fica bem com uma bolsa muito pequena. O mesmo se você for muito pequena e usar uma bolsa muito grande. Vai parecer uma criança que roubou a bolsa da mãe.

Na hora de comprar, se não possui nenhuma ou quer renovar seu guarda-roupa, eu indico três: preta básica, branca, off white, creme ou caramelo, e colorida. Ambas de tamanho médio e atente-se para que elas não tenham muitos metais expostos.

Também é válido ter uma menor para festas ou eventos noturnos. Preta, nude, cinza ou creme. Existem três tipos de bolsa: as de alças longas, médias e as de mão. Todas devem ser carregadas do lado esquerdo e a mão direita deve estar sempre livre, para cumprimentar as pessoas. Nada de bolsas transpassadas: você não é o carteiro, ok?

E pochetes não são bolsas. É a chacota da moda que deveria ficar nos anos 80.

Se joga na jogger!

Jogger ou Jogging? Tanto faz, hoje vamos falar sobre essa peça que está fazendo a cabeça de homens e mulheres de todas as idades e estilos. Ela é muito confortável.

Com uma base mais larga e punhos no calcanhar, ela tem um molde bem esportivo. Porém, a moda é cheia de surpresas e me recordo de um desfile de 2005 em que fiz uma produção de uma calça dessas com um scarpin vinho de verniz. Todos adoraram e o look foi recriado por colegas.

Hoje, ela perdeu o ar fashionista e entrou para o armário até das mais clássicas. Inclusive os homens aderiram a ideia e estão bombando por aí com a peça. Mas, como combiná-la? Simples: existem duas regras. Ou você a utiliza num visual mais esportivo com tênis, ou a combina com scarpins ou sandálias de saltos altos sofisticados. Seguindo essas regras, você não irá errar no look. Atente-se ao material da calça. Por exemplo, uma jogger de cetim de seda cabe perfeitamente para eventos e baladas noturnas. As mais despojadas, ficam ótimas para o dia-a-dia. Na quarentena então, nem se fale!

Os homens, também, precisam se atentar ao calçado. Nada de tênis de academia se o intuito é sair para badalar. As de sarja em tons neutros são elegantes até para se usar com blazer. Demais, não é mesmo?

Como essa calça já é muito despojada, escolha peças elegantes para combinar. Acessórios mais finos e até brilho valem a investida. Para os rapazes, o hit está na camuflada.

Qual é o seu jeans ideal?

Quando Levi Strauss criou o modelo de calça jeans para os trabalhadores no século 19, ele jamais imaginou que essa peça se tornaria tão querida e amada por todos. Não há uma pessoa no mundo que vai contra a democrática calça. Mas, com tantos modelos no mercado, você sabe qual fica melhor no seu corpo?

A paixão nacional, principalmente das mulheres, é o jeans mais sequinho, ‘skinny’, porém, ele é muito perigoso. Se você tem quadris largos ou coxas grossas fuja desse modelo. Opte por uma modelagem mais reta ou flare. Assim, o visual ficará mais coerente.

As mais sequinhas são perfeitas para usar com blusas mais soltas e se você tem pouco quadril use e abuse delas. Se for baixa, preste atenção na bainha para ela não ficar sobrando. O ideal é dobrar ou mandar para uma costureira fazer corretamente. Se ela tiver cintura alta melhor ainda, isso ajuda, e muito a alongar a silhueta.

Lembram da calça boca de sino tão popular nos anos 70? Pois é, ela se reinventou e ficou conhecida como flare. Ideal para disfarçar os quadris, chama toda a atenção para a barra. Use-a com sapatos de salto e opte por uma que quase esbarra no chão, assim, ela dará a impressão de que você é mais alta.

A coloração também é importante. Siga as regrinhas básicas: quer passar a sensação de pernas grossas, opte pelas mais claras. Quer diminuí-las, opte pelas mais escuras. Agora, arrase na compra de sua calça jeans e acerte sempre!